quinta-feira, 22 de setembro de 2016

A idade está na cabeça da gente

Por acaso eras o tipo de criança que queria crescer antes do tempo?
Aquelas que ficavam contando com a chegada dos 15 anos, depois com a dos 18 e 21?
Eu não. Nunca tive pressa de ficar mais velha. Se possível, até queria voltar na idade, desde que tivesse o mesmo nível de amadurecimento. (Risos)

Tenho um amigo de infância, bonito, querido que me surpreendeu quando confessou estar passando por uma crise porque ia atingir os 40 anos.
Nunca passei por isto e espero que assim continue. Seria desgaste de energia em vão, pois o tempo não iria voltar de qualquer maneira.

Por acaso alguém aí conhece algum parente ou amigo ou vocês mesmos que se ache muito velho para fazer alguma coisa?
Começar do zero então? "Já não tenho mais idade pra isso." "Estou muito velha." "Agora não dá mais."
Soa familiar?
Pois é...quem nunca?

Porém, se pararmos para pensar, veremos que envelhecer é sinal de que estamos vivos, de que tudo ainda é possível, de que ainda há tempo. Tem gente que não chega lá e a morte prematura de Domingos Montagner me fez pensar nisto. (RIP, Domingos...)

Em compensação, mesmo quem envelhece mas continua vivendo, nos enche de orgulho quando realizam sonhos, tais como o de se formarem na faculdade ou saltarem de paraquedas.

Recentemente vi o vídeo de um cara desses, de 80 anos vivendo um grande momento na vida e sendo sucesso nas passarelas.
Já viram? É lindo! E dá uma lição de vida para quem assiste.

Transcrevi o vídeo aqui, mas vejam vocês mesmos o vídeo depois.

Meu nome é Wang Deshun. Nasci e cresci em Shenyang, China.
Muitas pessoas me conheceram depois de um desfile em uma passarela.
Algumas pessoas me dizem que sou o vovô mais bonito que existe.
Alguns dizem que virei celebridade do dia para a noite.
Mas você sabe? Eu me preparei para este dia. Venho me preparando por 60 anos.
Aos 24 me tornei um ator de teatro.
Aos 44 anos comecei a estudar inglês.
Aos 49 criei minha própria trupe teatral.
Fui para Pequim, tornei-me um andarilho.
Eu não tinha nada no meu nome, comecei tudo do zero.
Aos 50 anos entrei na minha primeira academia, comecei a malhar.
Aos 57 eu retornei para os palcos e criei uma performance única no mundo, chamado "Living Sculpture Performance".
Aos 70 eu já estava malhando muito.
Aos 79 anos, entro na passarela pela primeira vez.
Hoje estou com 80 anos e ainda existe algo dentro de mim.
Ainda tenho alguns sonhos para realizar.
Acredite em mim. Nosso potencial pode ser explorado.
Quando você pensar que é tarde demais, tenha cuidado. Não deixe que isso seja uma desculpa para você desistir.
Ninguém pode impedi-lo de ter sucesso, exceto você mesmo.
Seja o mais brilhante possível quando for chegada a hora de brilhar.
Meu nome é Deshun, Wang, um determinado do norte da China.

Aqui conseguirão ver o vídeo: http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/modelo-aos-80-anos-ele-prova-que-nunca-e-tarde-para-mudar

Obrigada por terem vindo até aqui. Namastê!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Francofonia - O Louvre sob ocupação - filme

Ainda não fui para a França, logo, não conheço o Louvre ao vivo.
Já fiquei chateada com a lenda urbana de que os franceses não falam direito com quem não fala francês.
Já pensei em nem ir até lá por causa disto.
Mas este pensamento mudou faz tempo.
Depois de ver e ouvir maravilhas da França, revi meus conceitos e este país faz parte da minha lista de lugares para conhecer, com toda certeza!

Um amigo, apaixonado por francês, falava que era uma língua fácil e parecida com o português.
Tenho visto vários filmes franceses, já gravei umas poucas palavras, mas não me soa fácil ainda.
Até comecei a estudar um pouquinho, sozinha, pela internet, e sigo sem achar uma língua tranquila de se entender e falar.

Dito isso tudo, quero falar de um documentário diferente que vi recentemente sobre o Louvre: Francofonia - O Louvre sob ocupação.
Diferente porque tem um pouco de encenação para passar adiante a informação que quer.
Um dos personagens é Napoleão Bonaparte, que se gaba de sua importância para o Louvre.
Li que a mulher que aparece às vezes com o Napoleão, cujo significado não tinha conseguido decifrar, seria o espírito feminino da França.

O grande mote de Francofonia é a ocupação nazista. Dá um nervoso só de pensar no que poderia ter acontecido.
Além disto, vemos como o Louvre surgiu, sua vastidão, algumas obras, o processo que englobava (não sei se ainda é assim) o transporte de obras.
Fica evidente a importância do Louvre, da arte, dos apaixonados por arte e achei lindo quando o autor fala: “o que seria de mim se não conhecesse os olhos dos que vieram antes de mim?“.

Apesar do foco ser a França, pensei em outras obras maravilhosas e únicas que já foram destruídas pelo mundo, por pura ignorância. Tristeza...

Após escrever este texto, coincidentemente li um artigo do gaúcho Leandro Karnal: Educar não é adestrar, que saiu no Estadão, em que fala: "Educar não é adestrar, mas ampliar e estimular o repertório para que cada ser faça parte da aventura humana. A educação pela arte é poderosa e pode mudar, para sempre, a vida de alguém."

Acredito nisto.

Deixo ainda mais um pensamento que diz muito a respeito do assunto:
"Não existe meio mais seguro para fugir do mundo do que a arte, e não há forma mais segura de se unir a ele do que a arte." Johann Goethe

Obrigada por terem vindo até aqui. Namastê!

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Meus butiás caíram do bolso

Desde ontem de noite meus butiás estão caindo do bolso.
Para nós, aqui do Rio Grande do Sul, esta expressão é muito comum quando queremos dizer que estamos surpresos com algo.
Para quem não a conhecia, aqui está uma definição do que se trata.

Bem, tudo começou com a separação do William Bonner e da Fátima Bernardes.
Não temos absolutamente nada a ver com isto, separações acontecem, mas eles são celebridades e estávamos acostumados com o casal. Diz que já havia umas desconfianças de que o casamento não estava muito bem há tempos, mas eu não sabia de nada disto.
Então me pegou de surpresa ontem, antes de dormir.
Tomara que cada um encontre seu melhor caminho e fiquem bem.

Hoje de manhã, fui procurar a palavra crowdfunding na internet, para escrevê-la corretamente.
Deparo-me com um link sobre a Bel Pesce, falando que ela tentou angariar dinheiro para montar uma hamburgueria e não deu muito certo.
Mas também falava que as informações que temos sobre ela não são exatamente como nos chegam, havendo um certo exagero, uma certa maquiagem para tentar enaltecer fatos maiores e deixando detalhes importantes camuflados.
Ou seja, ela é (bem) mais teoria que prática, (bem) mais artista que alguém com a experiência que achamos que ela tem.
A partir daí, saber no que acreditar complica um pouco, mas nos dá pelo menos um alerta para analisarmos um pouquinho melhor a história de qualquer pessoa que apareça na mídia.
(Tinha escrito sobre ela em março, como podem ver aqui.)
E já há mais textos, na internet, sobre o mesmo assunto, como este aqui.

Enquanto tomava meu café da manhã, estava dando uma olhada no jornal e fiquei sabendo que a Fundação Iberê Camargo, por causa da crise econômica, passa a abrir somente às sextas e sábados.
Desde que construíram o prédio, sempre tive vontade de conhecer.
Acabei conseguindo ir, como contei aqui.
Foi lindo! Adorei ter ido lá, gostaria de morar mais perto para poder ir mais vezes.

Por último, ontem vi um pouco do processo de impeachment da Dilma na televisão.
Uma cena, que mostrava ela conversando com o Aécio Neves, chamou a atenção, pois seriam "rivais" ou "concorrentes". Ou, no mínimo, um querendo ver o outro fora do poder que ainda têm, mas a cena mostrava duas pessoas conversando numa boa, sorrindo.
Hoje, passando os olhos pelos posts dos meus amigos no Facebook, vi esta foto em que, além dos dois políticos já mencionados, juntava-se a eles o Ricardo Lewandowski, que é quem está presidindo as sessões do julgamento do impeachment.
Não parece que estão super relaxados, conversando entre amigos num intervalo de um evento qualquer?
Parece que quem postou foi Felipe Daroit e eis a legenda que colocou na foto:
"EM TEMPOS:
De ofensas nas redes socias por questões políticas e ideológicas. Para aqueles que brigam. Xingam. Destilam ódio. Rompem com familiares e amigos! Política é política, meus amigos. Não percam a saúde com isso!"

Muito pertinente, não? Isto me fez lembrar dos jogadores de futebol que jogam uns contra os outros, em campo, mas almoçam, jantam, curtem uma tarde de lazer juntos, como amigos.
Alheios a isto, quantas pessoas se matam, provocam violência, ficam de mal, têm raiva de pessoas que torcem para times opostos?
Pensem bem na próxima vez que saírem do sério por causa de qualquer coisa.

Que tudo isto sirva de lição: tudo muda o tempo todo, nem tudo é exatamente como parece ser, temos que aproveitar as coisas enquanto a temos ao nosso alcance, há brigas que não valem a pena entrar.

Obrigada por terem vindo até aqui. Namastê!

domingo, 28 de agosto de 2016

O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares - livro

Fiquei curiosa e quis ler este livro por causa da capa.
Gosto de um filminho de terror, dei uma folheada no livro, vi aquelas fotos estranhas e não resisti.
Nas primeiras páginas vê-se uma história normal de um netinho com seu avô. Este contando histórias incríveis para aquele.
O menino cresce e passa a não acreditar mais naquela fantasia.
E além disto, existe uma dúvida sobre a sanidade do avô.
A vida tediosa do adolescente piora quando uma tragédia se abate sobre sua família.
Mas é a partir deste fundo de poço que os dias dele acabarão virando uma grande aventura, digamos assim.
Muitas descobertas serão feitas. A vida de seu avô, antes de ter a família, da qual ele faz parte, será revelada.
O final do livro é uma super "deixa" para o próximo, que, aliás, já existe.
E eram os que via nas livrarias: o primeiro e o segundo volumes. Até ontem. Quando já vi o terceiro livro também!
Para quem ainda não sabe, do primeiro livro foi feito um filme, pelo Tim Burton.
Tim inclusive opinou sobre o livro, como podemos ver na contracapa.
Já se pode encontrar o cartaz do filme em alguns cinemas.
Na internet, há diferentes datas para a estreia: setembro/2016, dezembro/2016 ou janeiro/2017.
Não sei qual é a correta ainda. Mas de qualquer forma, quem quiser ler antes de ver o filme, corra!!!
 Detalhes:
Autor: Ransom Riggs
Editora: Casa da Palavra - Leya
Número de páginas: 336

Outros links, a respeito de livros, que escrevi no blog:
Extraordinário: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/05/extraordinario-livro.html
A Lista: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/05/a-lista-livro.html
Livre - A jornada de uma mulher em busca do recomeço: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/04/livre-jornada-de-uma-mulher-em-busca-do.html
Eu sou Malala: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/04/eu-sou-malala-livro.html
Homens são de Marte Mulheres são de Vênus: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/04/homens-sao-de-marte-mulheres-sao-de.html
A menina que roubava livros: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/04/a-menina-que-roubava-livros-livro.html
Geração de valor: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/03/geracao-de-valor-compartilhando.html
O livro do Corpo: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/03/o-livro-do-corpo.html
Meus livros da Bel Pesce: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2016/03/meus-livros-da-bel-pesce.html
Pride and Prejudice: http://escritosgreice.blogspot.com.br/2010/06/pride-and-prejudice.html

Obrigada por terem vindo até aqui. Namastê!

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Paulina - filme

A Paulina me deu um nó na cabeça.

Eu, como mulher, posso dizer que sofro algumas vezes por ser mulher.
Já tive algumas passagens traumáticas causadas por homens.
Graças a Deus nunca aconteceu nada grave.
Mas entendo perfeitamente todo o movimento feminista, digamos assim, em busca de mais respeito com a gente.

Eis que vou ao cinema assistir um filme argentino chamado Paulina.
Nem li a sinopse, já que os filmes argentinos que tenho visto estão muito bons.
E, no tal filme, vejo uma mulher, com ideais, querendo dar outro rumo para sua vida.
No meio desta tentativa, acontece um estupro.

Gente, importante: quem quer assistir a este filme e não quer saber de spoiler, para de ler aqui, por favor.

Estou falando sério!

Eu avisei.

Seguiu? Então vamos lá.

E no meio de um mundo em que homens e mulheres estão reivindicando, repito, mais respeito com as mulheres, ela decide não denunciar o autor do crime, mesmo sabendo de quem se trata.

Como assim? - fiquei pensando.

E quando o pai dela, indignado, tentando entender a cabeça da Paulina, faz uma suposição e pergunta o que ela faria caso o namoradinho (um caso que ela tem há anos) dela fosse o autor do crime e ela responde que faria o oposto do que estava fazendo (ou seja, não aceitaria numa boa), minha boca ficou aberta.

Saí da sessão com um grande ponto de interrogação na cabeça.
Minha única explicação para a opinião da Paulina é: idealismo. A qualquer preço.

Se tu, caro leitor, tiveres mais um ponto de vista para me dar, "sou toda ouvidos".

A uma conclusão eu cheguei: entendo quando ela acha que se o namoradinho a estuprasse seria mais grave, pensando que haveria um laço entre eles, enfim...toda uma história por trás.
Mas mesmo tendo sido um desconhecido, é um ato brutal e covarde.
Mesmo sabendo do jeito que foi.
Não perdoaria.
Foi uma violência. Ponto final.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

O dia em que fui no Iberê

A cidade onde moro - Porto Alegre - possui mais de 40 museus.
Um dos meus "sonhos de consumo" era conhecer um deles: a Fundação Iberê Camargo.
Finalmente o realizei! E não era à toa essa vontade de ir lá...

Era um dia friozinho, mas tinha sol, mesmo que fraco.

Quando se sai do estacionamento, escuro, depara-se com estas escadas que nos levam ao ar livre.
Ao entrarmos no prédio, há um balcão de informações e o homem que lá estava sugeria que todos subissem, pelos elevadores, até o quarto andar para vir descendo, a pé, até o térreo novamente.
E este foi, então, o trajeto.

Nos andares superiores, via-se a exposição de obras do carioca Sérgio Camargo.
Vi obras em madeira e mármore. Brancas e pretas.
Relevo - madeira pintada
Escultura - mármore de Carrara
Relevo - madeira pintada
Escultura baleia - mármore de Carrara
Escultura - mármore negro belga
Escultura - mármore negro belga
Relevo - madeira pintada
Projeção sobre Sérgio Camargo
A descida dos andares é feita de maneira suave, andando por rampas.
Nas rampas encontramos janelas, janelões e janelas redondas no teto.

Vista de uma das janelas
A visão para a parte interna também agrada aos olhos. É interessante e bonita.
Até o banheiro é estiloso

No andar de baixo estão obras de Iberê Camargo.
Autorretrato - 1942 e Iberê - 1987
Fantasmagoria
Suíte manequins
Ainda há uma cafeteria externa, que no dia da minha visita, estava cheia, infelizmente.
Impediu de realizar meu sonho completamente.
Mesmo assim, tudo na Fundação, a vista lá de fora e aquela árvore maravilhosa encheram meus olhos de beleza!

(A exposição do Sérgio Camargo acabou recentemente. Já há outra no lugar.)

Obrigada por terem vindo até aqui. Namastê!

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Decisão de risco (Eye in the sky) - filme

Por acaso vocês ouviram falar, lá pelo dia 23/05/16, que morreu um chefe da milícia talibã, no Paquistão, perto da fronteira com o Afeganistão?

Como comentei, ao falar do livro da Malala aqui no blog, este tipo de notícia parece que toma outra dimensão após ler seu livro. Parece que o problema do povo dela chega mais perto da gente.

Mas outro detalhe, na notícia dessa morte, chamou minha atenção e acho que quem viu o filme Decisão de risco também deve ter sentido a mesma coisa.
Quando falaram que o presidente americano Barack Obama autorizou tal morte, meu cérebro "viajou" lá para o filme.

Ele foca nesse lado da guerra. As espionagens acontecem, descobertas são feitas, mas e daí?
Quando acham uma pessoa procurada podem sair matando?
Não. Há toda uma burocracia a ser seguida.
E durante o filme, com situações super delicadas, a gente vai vendo que complicado que é decidir e até mesmo matar.
Nunca tinha visto um filme que mostrasse o problema sob essa ótica, nem com tanta tecnologia envolvida.

Bem interessante. Recomendo.

Obrigada por terem vindo até aqui. Namastê!